Amêndoas

As amêndoas são uma boa fonte de manganês e uma boa fonte de cobre, dois minerais que são cofatores essenciais de uma enzima oxidante chamada superóxido dismutase. O superóxido dismutase neutraliza os radicais livres, produzidos dentro das mitocôndrias (as fábricas de produção de energia nas células), mantendo assim a nossa energia a fluir. Felizmente, a Mãe Natureza fornece minerais cofatores nas amêndoas.

Apenas um quarto de uma chávena de amêndoas fornece 45,0% do valor diário ideal de manganês e 20,0% do valor diário ideal de cobre. A riboflavina (vitamina B2) também desempenha pelo menos dois papéis importantes no organismo no que diz respeito à produção de energia. Quando activa em vias de produção de energia, a riboflavina toma a forma de flavina adenina dinucleotídeo (FAD) ou flavina mononucleótido (FMN). Sob estas formas, a riboflavina anexa às enzimas uma proteína chamada flavoproteína, que permite a ocorrência da produção de energia à base de oxigénio.

As flavoproteínas  encontram-se em todo o corpo, especialmente nos locais onde a produção de energia à base de oxigénio é constantemente necessária, tais como o coração e outros músculos. Outro papel da Riboflavina na produção de energia é o de protecção.

O oxigénio que contenha moléculas que o corpo usa para produzir energia pode ser altamente reactivo e pode inadvertidamente causar danos à mitocôndria e até às próprias células. Nas mitocôndrias, a lesão é essencialmente impedida por uma pequena molécula de proteína chamada glutationa. Como muitas moléculas "antioxidantes", a glutationa deve ser constantemente reciclada e é a vitamina B2 que permite que essa reciclagem ocorra. (Tecnicamente, a vitamina B2 é um cofator para a enzima glutationa redutase, que reduz a forma oxidada da glutationa  para a sua versão menor.) O mesmo quarto de chávena de amêndoas fornecerá às  suas células 17,6% do valor diário ideal de riboflavina.